Conteúdos e cursos para contadores, empresários, gestores, advogados e estudantes

×
Siga-nos:
Classe Contábil
PUBLICADO 6 dias ATRÁS.

‘Podemos conviver com um volume de compulsório muito mais baixo’, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o Brasil tem condições de ter níveis de depósitos compulsórios muito mais baixos do que são hoje ao fazer uma retrospectiva dos nove meses da sua gestão à frente do órgão regulador dos bancos. “Podemos conviver com um volume de compulsório muito mais baixo do que é hoje, estimular o crédito privado e baixar o custo de captação dos bancos. É um projeto que está acelerado e a gente deve ter notícias em breve”, disse ele, em tradicional evento de fim de ano dos bancos.

Segundo Campos Neto, há uma reinvenção do mundo privado, com a redução do subsídio, em consequência da queda da taxa de juro.

Na área do crédito, ele ressaltou ainda a importância do estímulo ao crédito imobiliário e voltou a mencionar o home equity, crédito pessoal com garantia do imóvel, uma das agendas de sua gestão. “Tínhamos medo de que as pessoas consumissem suas casas, mas vemos que o estoque, que é muito baixo, esta sendo formado para criar negócios ou para migração para uma modalidade de crédito de custo mais baixo”, observou.

Efeitos da política monetária

O presidente do Banco Central disse ainda que as últimas evidências sinalizam no sentido de que “talvez o efeito da política monetária global como vimos no passado tenha chegado a algum grau de exaustão”. Segundo ele, há um debate sobre qual é a combinação ótima de políticas e métodos para gerar o melhor resultado com menos efeitos negativos.

Durante almoço promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Campos Neto voltou a destacar que as últimas reuniões internacionais em que foi, houve uma revisão de crescimento mundial para baixo. “Sempre com essa classificação de que vai ser a última. Tivemos revisões sucessivas, curiosamente na última reunião teve um tom mais otimista, mas em relação à Ásia”, afirmou, destacando as economias chinesa e indiana. Ele ponderou, contudo, que no mundo desenvolvido e nas Américas, “o crescimento está baixo, comparado com o que gostaríamos.”

Crescimento de qualidade

O presidente do Banco Central disse que a autoridade monetária está focada em criar um ambiente para um crescimento de qualidade. Segundo ele, o País deve ter um crescimento parecido com os primeiros anos do governo Fernando Henrique Cardoso, mas com zero impulso fiscal.

Em evento promovido pela Febraban, ele destacou que, no início do governo Lula, o País teve um crescimento de destaque, “mas muito menos que o mercado emergente” e com forte impulso fiscal.

Segundo ele, há um ambiente propício para o Brasil. “Estamos no caminho certo, precisamos reconhecer que parte é crescimento global, parte é reformas, mas não podemos parar, tem muito o que ser feito”, disse.

Fonte: Jornal de Brasilia




COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

*Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Leia também

IGP-DI sobe 0,85% em novembro

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu 0,85% em novembro, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o índice havia variado 0,55%. Com este resultado, o í

POR 11 horas atrás.

Receba gratuitamente nosso boletim de artigos e notícias em seu e-mail