Conteúdos e cursos para contadores, empresários, gestores, advogados e estudantes

×
Siga-nos:
Classe Contábil
PUBLICADO 18 anos ATRÁS.

Metodologia da auditoria operacional ou de desempenho administrativo perante a moderna doutrina contábil do neopatrimonialismo

Questiona-se quanto à metodologia da auditoria operacional, se esta deveria caminhar para um processo de normatização ampla, como as demais, ou se ficaria exclusivamente dependente da capacidade do profissional que a planeja e a executa . Até que ponto a avaliação da eficácia e da eficiência é algo que possa ser objeto de um padrão é ainda discutível . A moderna doutrina contábil do Neopatrimonialismo, todavia, surge como uma fonte competente para oferecer a produção de indicadores de avaliação de desempenhos, tão como oferece princípios metodológicos . Considera, esta nova corrente cientifica, que o planejamento do trabalho de um auditor pode até seguir a algumas diretrizes gerais, mas, em cada caso, necessário se torna o aprofundamento das indagações sob uma ótica lógica científica subordinada a relatividades .

EFEITOS NORMATIZADORES E AUDITORIAS

Não se encontrou ainda uma solução definitiva para o problema das normatizações contábeis .

Quer em nível de uma harmonia informativa de tratamento internacional, quer quanto à plena capacidade de apoio à emissão de opiniões profissionais, em ambos os casos, distante ainda está uma uniformidade de procedimentos .

Tanto as informações contábeis, como a opinião, continuam, as duas, sendo normatizadas ao sabor de grupos de influências do poder (quer econômico, quer político) .

Como o que se requer de quem opina é quase sempre complexo, transcendendo a produção de informação de dados, as normatizações tornam-se, neste particular, bem mais difíceis de serem padronizadas .

Sendo o opinar a emissão de um juízo de julgamento próprio sobre fatos e situações específicas, é natural que as responsabilidades e qualidades individuais do profissional muito pesem e sobreponham-se, quase sempre, ao que em sentido genérico, normatizado, possa parecer o desejável .

Quando, todavia, a matéria para a qual se solicita um parecer, envolve o comportamento da riqueza empresarial ou institucional, acionada por uma administração, em um entorno determinado, a questão assume uma relevância que me parece de muito maior peculiaridade ainda, exigindo conhecimentos que podem estar além das limitações regularizadoras .

A mim me parece inadequado o sugerir como opinar .

Considero medida incompetente o padronizar onde o critério deve ser o da qualidade subjetiva de um profissional .

Na prática, entretanto, repito, as normatizações de Auditoria, como aquelas de registros e demonstrações, para fins financeiros (créditos , investimentos especulativos de mercado etc.) têm sido emitidas por grupos, tangidos por interesses particulares, nem sempre com uma preocupação de cunho universal, como exige a ciência que o seja e com forte pressão anglo saxônica .

Mesmo aquelas normatizações de órgãos oficiais (como existem em vários países) não se têm livrado de uma força política (ou de `conveniência`) predominante .

A decorrência, pois, dessa modalidade reguladora, tem provocado desencontros e se elas vierem a existir para o julgamento do comportamento da gestão das riquezas, com vistas a uma aplicação geral, poderão correr alguns graves riscos .

Um movimento normativo estará tanto mais fadado ao insucesso quanto mais político for ; ou seja, todas as vezes que se deixa a realidade que a ciência defende, para acomodar-se às conveniências de interesses particulares, o que resulta é sempre a falsidade .

Algumas normas têm perdido a sua qualidade exatamente pelo seu caráter de excesso de opções de procedimentos (o que pejorativamente o próprio Senado dos Estados Unidos titulou como Contabilidade Criativa), por abandono das conquistas doutrinárias científicas e pela deturpação de conceitos .

CONCEITOS CONFLITANTES ENTRE AUDITORIA OPERACIONAL E AUDITORIA FINANCEIRA

O conceito é fruto de conhecimentos que se sintetizam em palavras .

Sobre a questão, alguns pensadores chegam a extremos de rigor .

Assim, por exemplo, Croce (Lógica, capítulo II), admite o conceito como a própria razão, adotando uma generalização que transcende ao sentido científico .

O entendimento sobre um agregado de informações e raciocínios (conceito), quando qualifica um ramo do saber, tem uma responsabilidade peculiar .

Auditoria Contábil, por exemplo, é um conceito genérico, do qual se derivam outros de cunhos específicos .

Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo, é uma das derivações referidas, possuindo caráter específico, indicando uma aplicação tecnológica da Auditoria, embora tudo esteja subordinado à ciência da Contabilidade .

Há, pois, uma hierarquia conceptual que se faz exigível e que deve obedecer a rigores lógicos .

Tal dependência, de responsabilidade científica, é competente para permitir deduções, como muito bem o posiciona Duhem (em sua obra sobre a Teoria da Física), mas, isto, de forma alguma, exclui, a necessidade da identificação de um objeto peculiar ; tal peculiaridade específica, requer metodologia própria .

Desdobrados, isolados os materiais de estudos, sejam quais forem, transformam-se os mesmos em algo que merece observação especial .

Não vejo, pois, como se fosse um problema, a diversidade conceptual, quando se alteram as finalidades e os métodos empregados para uma prática ou um estudo .

Os conceitos tendem a acompanhar os interesses de observação do objeto de indagação e o método a este pertinente .

Portanto, padronizar a Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo em termos de Auditoria Financeira, é algo que deixa de ter sentido do ponto de vista lógico .

Que se busquem uniformizações em bases gerais, é tolerável, mas, que se mesclem, através de padrões, coisas diferente quanto a procedimentos, parece-me inadequado .

A existência de conceitos aparentemente conflitantes, pois, na realidade, não passa de uma adequada forma de se exercer a lógica na aplicação do conhecimento contábil relativo á auditoria .

Não se pode padronizar o heterogêneo como se fosse algo homogêneo .

A matéria financeira não se confunde com as demais (porque constitui um sistema identificável, embora dependente do conjunto).

Tal como a opinião subordina-se à natureza do objeto sobre o qual se opina, os conceitos também seguem esta mesma lógica de dependência .

É óbvio que o genérico em Contabilidade alcance a Auditoria, como o genérico em Auditoria envolva a Auditoria Financeira, Operacional etc dentro dessa seqüência lógica de subordinações de conhecimentos, mas, o é também que para designar o específico se utilizem conceitos igualmente específicos .

Não há, portanto, conflito conceptual em se procurar atribuir expressões a fenômenos contábeis específicos, desde que, obviamente, respeitada a lógica natural de derivações de idéias e razões .

A RELATIVIDADE COMO MACRO-REGRA NO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO – PRINCÍPIO DA RELATIVIDADE DA EFICÁCIA

A avaliação do desempenho é algo que se deixa envolver pela relatividade .

Como uma administração se comportou, em relação à eficácia dos meios patrimoniais de que dispunha, é, efetivamente, o grande objetivo da Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo, mas, tal fato não pode ser observado de forma absoluta .

A questão envolve uma estreita ligação entre as ciências da Administração e a da Contabilidade, sem, todavia, afastar-se do interesse do julgamento do comportamento da riqueza (que é a ótica contábil) .

Sabendo-se que a eficácia é o resultado da plena satisfação da necessidade, em sentido geral, é fácil concluir que também este conceito, de forma derivada, abarca a eficácia da produtividade, ou seja a denominada Eficiência .

Para a doutrina neopatrimonialista a eficiência é a eficácia do sistema de produtividade (cuja função é a do máximo aproveitamento dos meios patrimoniais em face das necessidades exigíveis) .

O neopatrimonialismo admite a produtividade apenas como um dos sete sistemas que compõe o universo patrimonial (e que são : liquidez, resultabilidade, estabilidade, economicidade, produtividade, invulnerabilidade e elasticidade) .

Considera pois, a referida doutrina, como conceito geral de eficácia a anulação da necessidade, seja esta necessidade a de que sistema seja ; só entende como eficácia absoluta aquela derivada da somatória de todos os sete sistemas de funções referidos .

Na legislação, todavia, no que evoca para apurar a qualidade de desempenho, destaca-se : Eficácia e Eficiência, como coisas isoladas a serem analisadas (sem considerar que a Eficiência é a própria Eficácia de um sistema de produtividade) .

Seja como for, o que se busca conhecer é se os meios empregados pela gestão resultaram em algo que cumpriu aos objetivos perseguidos (estes o neopatrimonialismo os considera como efeitos das necessidades), tendo como parametria básica as ocorrências havidas com o desempenho patrimonial .

Como os objetivos variam de empresa para empresa, de instituição para instituição, difícil se torna estabelecer uma avaliação a partir de padrões .

A eficácia de uma usina de ferro no Brasil pode não ser a mesma eficácia de uma usina de ferro na Rússia, se tomarmos como padrão apenas a usinagem, sem considerar os diversos entornos que influem sobre a gestão .

Os fenômenos patrimoniais, todavia, dependem das relações lógicas ambientais (ver minha obra Teoria da Contabilidade, edição Atlas, São Paulo e Teoria Geral do Conhecimento Contábil, edição IPAT-UNA, Belo Horizonte e ICAC, Madri) .

A eficácia, sim, será sempre a satisfação da necessidade, seja aonde for, mas, como esta é variável, segundo diversos agentes e circunstâncias, também variável se torna a mensuração da mesma .

É lícito, pois, falar-se de uma `eficácia relativa` a partir da consideração das relações lógicas que explicam o fenômeno patrimonial .

Não é a eficácia em si que se objetiva com os exames da auditoria , mas, sim um desempenho que se busca mensurar, em face do que representa perante a satisfação conveniente das necessidades .

Tal fato é um orientador de macro valia para a determinação do método .

O Principio da Relatividade da Eficácia parece-me ser o básico para a Auditoria Operacional .

Se a opinião do auditor deve ser a de desempenho ela certamente não se deve confundir com as demais, ou seja, o que preocupa , no caso, não é, por exemplo, a adequação demonstrativa, a situação legal e fiscal etc. mas sim o comportamento da gestão .

A opinião deve ser pertinente ao objeto do que se requer como manifestação do especialista e se varia o objeto, é óbvio que varia a metodologia para se chegar a opinião .

Embora a auditoria possa ser considerada como um todo, na realidade a sua execução tecnológica tem variações de objetos e métodos .

Entendo que a Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo baseia-se em procedimentos gerais de auditoria, mas, não aceito que se possa admitir que a isto se limite .

Nesta especialidade da Auditoria deve prevalecer a análise científica do comportamento da riqueza, em face da eficácia geral (que inclui aquela da produtividade ou eficiência) e não um simples aspecto financeiro ou legal (e que são apenas partes no comportamento referido) .

Aceito que algumas diretrizes gerais possam ser estabelecidas, mesmo no campo especifico da Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo, mas, considero de alto risco a adoção de normas padronizadas para abranger a todos os casos .

INDICADORES DE AVALIAÇÃO E MODELOS CIENTÍFICOS

Os indicadores de avaliação para uma Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo dependem da seleção de modelos científicos .

É nesse particular que a doutrina do Neopatrimonialismo oferece o mais vasto recurso para que se encontre os referidos paradigmas .

Isto, porque a `Teoria das Funções Sistemáticas do Patrimônio` é a que mais nos parece adequada para apoiar uma metodologia da Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo, porque estabelece condições doutrinárias para uma organização dos fenômenos do patrimônio sob uma ordem rigorosa de relações lógicas (essenciais, dimensionais e ambientais) .

É obvio que os indicadores não se limitam ao comportamento patrimonial, mas, a todo um conjunto que envolve práticas administrativas, mas, o que um Contador deve opinar, dentro dos limites de sua capacidade legal e profissional, é sobre a influência que estas práticas exercem sobre a eficácia .

Ao analisar, por exemplo, o que ocorreu com a compra de matérias primas, precisa o auditor operacional estudar como tal meio patrimonial se comportou em face das necessidades da empresa ; isto envolve todo um sistema que vai desde a adequação em realizar-se o pedido de aquisição, em face de limites mínimos de estoques (que ele testa com quocientes de giro), até o risco de armazenamento do recebido e a forma de entrega para a utilização .

Não se trata de ver se a compra está comprovada, se o documento satisfaz a exigência fiscal, se o registro foi tempestivo, mas, como a matéria prima desempenhou o seu papel em face das necessidades da produção e do lucro .

Na prática pode-se realizar tudo ao mesmo tempo, mas, não vejo como um trabalho de melhor qualidade faze-lo, consideradas as diversidades de capacidades que se requer de um auditor de campo ou de execução .

Mesmo que um planejamento da auditoria seja rigoroso e abrangente para gerar, pelas informações, a avaliação, entendo que o auditor de execução deve ter capacidade suficiente para perceber o que está examinando .

Sempre defendi a Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo independente da Auditoria Financeira .

BASES DO PLANEJAMENTO DO TRABALHO DA AUDITORIA OPERACIONAL

A macro-regra da Relatividade, já referida, não impede que alguns outros princípios sejam observados no que tange à metodologia de trabalho do auditor operacional ao traçar o seu Plano de Trabalho .

Assim, importante é que se tenha em mente, ao realizar a tarefa, que se busquem informações de PRE-AUDITORIA (ver sobre a matéria a minha obra Curso de Auditoria, da Editora Atlas) .

Como elementos fundamentais para o conhecimento das aludidas informações de base para um Plano de Auditoria, devem ser observadas as margens de segurança sobre as quais se inspirará para avaliar e emitir a opinião sobre o desempenho administrativo, ou sejam :

1. Os objetivos da empresa ou instituição e os motivos que sustentam os mesmos ;

2. O passado do patrimônio (análise comparativa das situações patrimoniais , de resultado e de finanças) ;

3. O entorno sócio-econômico em que a empresa se situou no passado e o que tem no presente ;

4. A estrutura administrativa que possui, o valor humano de liderança e o do pessoal ;

5. A postura perante a Qualidade e o Planejamento (metas fixadas ou perseguidas) ;

6. A agilidade de comunicação e coordenação de pessoal interno e deste com os agentes externos ;

7. A evolução da clientela e também a do lucro ;

8. A atualização dos meios de trabalho perante a obsolescência ;

9. A validade dos controles internos ;

10. As condições éticas da empresa em seu mercado e do volume de clientes .

O que se visa, principalmente, é conhecer :

1. Quais as metas estabelecidas para serem alcançadas;

2. Que natureza e qualidade de administração se elegeu;

3. Que qualidade de meios pessoais e materiais foram colocados à disposição para que os objetivos fossem conseguidos e quais as perspectivas e possibilidades na captação de recursos ;

4. Que métodos de trabalho foram empregados;

5. O que resultou da combinação de todos esses fatores .

Ou ainda :

1. O que a empresa ou instituição persegue e é como essência ;

2. Qual o seu papel perante a continuidade do empreendimento ;

3. Se tudo é avaliável de fato ;

4. Que indicadores podem ser comparáveis com padrões científicos;

5. Que especificidade e riscos não se identificam;

6. Que se pode esperar para o futuro e como as coisas ocorrem no presente .

As bases de um Plano de Auditoria Operacional devem estar estribados nesses caminhos, de forma geral .

A LOGICA DA NECESSIDADE E A EFICACIA COMO BASES FILOSOFICAS DE UM PLANO DE AUDITORIA OPERACIONAL

Um objetivo, deixando de ser factível, transforma-se em algo apenas ilusório ou em ambição e, neste caso, deixa de ser um objetivo em si para fins de avaliação racional .

A necessidade real , por sua vez, antecedendo a um objetivo para supri-la adequadamente, será sempre racional, quando alcançável .

A finalidade ou objetivo factível é um efeito onde a necessidade é uma causa.

As ciências buscam as causas, ainda que possam tomar os efeitos como caminhos e esta a orientação aceitável em Contabilidade, como ciência que é .

Parece-me, pois, de maior pureza lógica o admitir-se a eficácia como a satisfação da necessidade e que é a causa essencial .

Logo, em dialética matemática :

Pn ® Fi

Fi ® Pm

Pm ® f

(Pm ® f) (f ® Pn = 0) Ea

Ea « (Pn = 0)

Ou seja, a necessidade patrimonial (Pn) implica em finalidade (Fi) ; a finalidade (Fi) implica em meio patrimonial (Pm) ; o uso do meio patrimonial implica em função (f) ; o uso do meio patrimonial (Pm) implicando em função (f) para o que se tem a função implicando em anulação da necessidade (Pn), logo se tem a eficácia (Ea) , mas eficácia (Ea) si e somente si a necessidade for anulada .

Essas as expressões das relações essenciais do fenômeno patrimonial, segundo o Neopatrimonialismo, e a ótica sob a qual a eficácia no desempenho administrativo deve ser avaliada pelo auditor .

A necessidade, os objetivos, os meios, a forma de usar os meios, são fatores essenciais na observação da verdade sobre os fenômenos patrimoniais das empresas e das instituições .

PROSPERIDADE E DESEMPENHO ADMINISTRATIVO

Segundo a doutrina neopatrimonialista a prosperidade corresponde a uma eficácia constante, ou seja, a um crescimento sem limites onde a capitalização dos resultados permite que uma célula social continue a sua vida de forma a satisfazer as suas necessidades vitais .

A vida, como elemento fundamental que permite o suprimento da necessidade constante deve desenvolver-se em direção a uma ilimitada eficácia .

Logo :

PS º Ea ® ¥

Em tese pois, a Prosperidade (PS) equivale à Eficácia (Ea) implicando em algo ilimitado .

Tal condição se opera quando para uma eficácia (Ea) constante a empresa dilata também as sua capacidade, tendendo a uma elasticidade crescente (El) também constante.

(Ea ® ¥) (El ® ¥)

A eficácia, entretanto, precisa estar presente em todos os atos que atinjam às muitas necessidades que uma empresa tem e esta a meta que a auditoria operacional deve objetivar .

A pesquisa para a emissão de uma opinião do auditor operacional deve abranger a eficácia de todos os sistemas de funções patrimoniais .

SISTEMAS DE FUNÇÕES E O DESEMPENHO DE INTERAÇÕES EFICAZES

O patrimônio supre a diversas necessidades e cada uma delas deve ter recursos para supri-las .

Há um sistema para cada natureza de função cada um visando a suprir as necessidades múltiplas de : pagar pontualmente, lucrar adequadamente, manter o equilíbrio, ter vitalidade, operar sem desperdícios, proteger contra riscos e dimensionar-se convenientemente .

Cada um desses sistemas busca como resultante a plena satisfação das necessidades que visa a suprir .

Há eficácia absoluta quando ocorre a somatória de eficácias de cada um dos sistemas de funções da riqueza .

A eficácia absoluta tende a gerar a Prosperidade .

O bom desempenho é aquele que resulta em Prosperidade e o mau é o que gera o Definhamento, ou seja, a situação inversa.

O julgamento de desempenhos administrativos é matéria que precisa orientar-se por óticas inspiradas em modelos científicos, como paradigma de comportamento e isto sugere a análise de `todos os sistemas` .

Pode partir do exame de `desvios` ou comparações entre as situações convenientes ou adequadas e aquelas praticadas e isto sugere o exame de sintomas .

Sintomas de prosperidade ou de definhamento encontram-se através de comparações ou relações que se devem estabelecer entre as interações dos sistemas de funções patrimoniais sistemáticas .

Um bom comportamento do sistema de liquidez deve influir sobre o sistema da resultabilidade e o deste sobre a liquidez, por exemplo .

Não basta ser eficiente se não se é lucrativo, não basta ser lucrativo se não se é eficiente .

O Neopatrimonialismo ensina que as funções patrimoniais sistemáticas são autônomas e ocorrem todas ao mesmo tempo, mas, em caráter de intima correlação .

Assim, por exemplo, a empresa pode estar equilibrada na composição de seu patrimônio (estabilidade) e não ser lucrativa (resultabilidade) , pode ser lucrativa e estar desequilibrada na composição ou estrutura patrimonial .

O comportamento da riqueza e o comportamento administrativo precisam estar em harmonia, também .

Não é suficiente um bom controle interno se não se consegue ter recursos para pagar dívidas .

Igualmente não é proveitoso apenas pagar em dia se não existe um bom sistema de controles internos .

Ao Contador, todavia, compete, por excelência, a avaliação do desempenho patrimonial, mas, nos seus exames, pode fazer assessorar-se de um administrador profissional visando a melhorar a profundidade das verificações (quer no planejamento, na execução deste, quer na avaliação) .

ANALISE CONTÁBIL DE SINTOMAS SOB A ÓTICA NEOPATRIMONIALISTA

A opinião do auditor operacional pode evidenciar Prosperidade ou Definhamento, ou seja a eficácia ou a ineficácia global do patrimônio administrado .

Para que se conduza a tarefa para a produção de um parecer, todavia, é preciso o uso de um método que permita com segurança optar por identificar os sintomas do desempenho administrativo em face do comportamento da riqueza .

A doutrina neopatrimonialista sugere que uma verificação desta natureza deva ser fundamentada em estudos que considerem cada sistema de per si, os sistemas comparados e tudo dentro de uma verificação de acompanhamento em períodos seqüenciais , ou seja em estudos :

1. Sistemático Unitário :

Cotejo de relações entre os meios patrimoniais e as necessidades patrimoniais em cada sistema de funções ;

2. Interações Sistemáticas :

Cotejo da resultante de cada sistema de funções em relação aos demais , sob a ótica da interação ;

3. Dinâmico Seqüencial :

Comparação dos cotejos referidos em períodos seqüenciais para a observação das tendências dos aludidos comportamentos .

Assim, por exemplo , na análise das relações cotejam-se :

No sistema da liquidez :

meios de pagamentos (dinheiro, créditos, estoques) contra necessidades de pagamentos (dívidas a fornecedores, bancos, governo etc.) ;

No sistema da resultabilidade :

custos , despesas e lucros (meios) contra receitas (necessidades para o resultado) ;

No do sistema da estabilidade :

Aplicações (meios de funcionamentos) contra origens de recursos (necessidades de suprimentos patrimoniais) ;

No sistema da economicidade :

as velocidades dos meios patrimoniais contra a das necessidades patrimoniais (temporalidade) ;

No sistema da produtividade :

Custos (meios) contra a produção efetiva (necessidades) ;

No sistema da invulnerabilidade :

Meios patrimoniais de riscos contra seguros de garantias de funcionalidade (necessidades de proteção) ;

No sistema da elasticidade :

Dimensão do capital em face das circunstâncias das necessidades das células sociais .

Todos esses estudos devem buscar as dimensões dos fatos, ou sejam, o conhecimento das causas, dos efeitos, dos aspectos qualitativos e quantitativos e daqueles relativos e tempos e espaços de ocorrência (hexadimensionalidade).

Como complemento obrigatório e concomitante, as verificações devem considerar as influências provenientes dos entornos do patrimônio, ou sejam, aquelas dimanadas dos ambientes internos e externos (relações ambientais endógenas e exogenas) .

As indagações devem incluir cada sistema como se fosse algo isolado e o mesmo em seu universo patrimonial, com vistas holísticas ao que age sobre a riqueza e que são os ambientes .

Cada sistema é composto de meios e de necessidades e a correlação entre estes componentes é que denuncia o que sucedeu como `resultante` .

RAZÕES DA METODOLOGIA NEOPATRIMONIALISTA APLICADA Á AUDITORIA OPERACIONAL

Se o que se visa é avaliar desempenhos, é preciso que se tenha como diretriz a consciência de que a riqueza é a meta principal mas que está associada a muitos fatores agentes .

A riqueza, por natureza, não se move por si mesma, mas, sim, acionada por múltiplas influências .

A doutrina neopatrimonialista sugere exatamente que tais exames se processem a partir de uma consideração de relações lógicas de naturezas : essencial, dimensional e ambiental .

As relações lógicas essenciais são as que se relacionam ao âmago da questão porque envolvem as conexões da mente humana com a riqueza, ou sejam as de necessidade, finalidade, meios patrimoniais e funções destes .

As relações lógicas dimensionais são as que consideram os aspectos da movimentação da riqueza, ou sejam as derivadas de causas e efeitos dos fenômenos, qualidade e quantidade dos meios patrimoniais e necessidades, tempos e espaços onde tudo ocorre .

As relações lógicas ambientais são as que defluem das ações da administração e do pessoal das células sociais (endógenas) e tudo o que provem do exterior a estas quais sejam as influências sociais, econômicas, políticas, científicas, tecnológicas, legais, ecológicas etc. (exógenas) .

Seguindo tal método, conduzido de forma organizada o pensamento, a opinião tende a ser a mais próxima da verdade .

Tudo se inicia, pois, como método de indagação contábil, pela verificação do `comportamento de cada sistema de funções patrimoniais` em face do suprimento de cada necessidade específica .

Conhecida a resultante em cada sistema (resultante é o efeito das funções dos meios patrimoniais em face das necessidades de cada sistema) o que se exige é a verificação da comparação da influência da mesma em face dos outros sistemas e destes sobre cada uma .

Entende a doutrina neopatrimonialista que não basta ser eficaz em uma função para que se encontre a prosperidade, sendo necessário que os desempenhos não só sejam eficazes em cada sistema como possam influir eficazmente sobre os outros .

A liquidez deve contribuir para o lucro e o lucro deve contribuir para a liquidez, a produtividade deve contribuir para o lucro e o lucro deve contribuir para a produtividade e assim por diante .

O estudo dessas interações se fundamenta em um complexo conjunto de análises e deve indagar sobre a mensuração da força de influência recíproca entre os sistemas de funções patrimoniais .

Assim, por exemplo, é oportuno medir o quanto a liquidez progrediu em relação ao lucro e o quanto o lucro progrediu em face do aumento da liquidez .

É preciso verificar qual a força correlativa dessas interações .

Para tal fim é que se analisam as tendências, ou seja, realiza-se a análise dinâmica com o intuito de observar qual o poder de interação no curso do tempo, especialmente quanto à constância que tais fenômenos possam denunciar .

As razões científicas , portanto, devem ser as que devem guiar o planejamento da auditoria operacional, associando fatores administrativos e contábeis, mas, também todos os demais que possam ter influências sobre a produção dos fenômenos que forem objetos de exames .

CONCLUSÕES : NORMATIZAÇÃO E DOUTRINA CIENTÍFICA PERANTE A AUDITORIA OPERACIONAL

Meta da ciência é a verdade e a da norma é o procedimento verdadeiro .

Há algo sutil a destacar-se entre essas óticas .

Entendo que Axiomas, Princípios, Teoremas, Leis Científicas, Normas Técnicas, são coisas que merecem destaques específicos e considerações particulares no campo dos conceitos .

A Norma, em meu modo de entender deve ser uma decorrência de verdades já conquistadas pela inteligência humana .

Por si só a norma nunca será verdadeira se não se fundamentar em uma verdade já comprovada .

Logo, é a doutrina cientifica que deve gerar a norma e não a norma que deve gerar a doutrina .

A Auditoria Operacional ou de Desempenho Administrativo é uma tecnologia que se deriva de outra (Auditoria), tudo possuindo como base as ciências da Contabilidade e a da Administração .

O científico enuncia verdades, mas, os procedimentos sugeridos pelas normas somente serão verdadeiros se estribados em doutrina científica , pois, de forma contrária, ensejar-se-ia a falsidade .

Entendo que não existe impossibilidade em normatizar a Auditoria Operacional, mas, isto só será útil se dentro de limites que respeitem as relatividades de que a questão se reveste (tal como neste trabalho, em linhas gerais busquei discorrer, sob a ótica do pensamento científico do neopatrimonialismo) .

Uma normatização ampla, na atualidade, não me parece , todavia, ainda conveniente e nem vejo como o atual processo regulador de procedimentos contábeis tenha recursos para empreender tarefa de tal magnitude e especificidade .

BIBLIOGRAFIA

ARAUJO, Francisco José de – Influência dos controles internos no trabalho do auditor independente, em Revista Brasileira de Contabilidade nº 121, edição CFC, Brasília, janeiro/fevereiro de 2.000

ARAÚJO, Inaldo da Paixão Santos – Introdução á Auditoria, aplicável à área governamental, edição do autor, Salvador, 1998

ARROYO, Miguel Olivas – Auditorias de Gestión en el sector publico , II Jornadas sobre Contabilidad Publica – edição Universidad de Valencia, Valencia, 1994

BARRANTES, Antônio – Auditoria Operativa, edição Marcial Pons, Madri, 1997

BARATA, Alberto da Silva – Contabilidade, Auditoria e Ética nos negócios, edição Editorial Noticias, Lisboa, 1996

CRUZ, Flávio da – Auditoria Governamental, Editora Atlas, São Paulo, 1997

DIEZ, Julita Garcia – A actuação dos revisores/auditores perante o compromisso da empresa com o meio ambiente, em Revisores e Empresa, edição ROC, ano 2, nº 7, Lisboa, outubro/dezembro 1999

DOMINGUEZ, Miguel Angel Crespo – Auditoria y control en el sector publico – II Jornadas sobre Contabilidad Publica – edição Universidad de Valencia, Valencia, 1994

LOPEZ, José Álvarez e IBARRA, Felipe Blanco – Un instrumento de la Contabilidad de Dirección Estratégica : el Bezeroen Bidez , em Tecnica Contable, n. 588, Madri, dezembro de 1997

LORENZO, Jose Manuel Prado – La norma de auditoria sobre la aplicación del principio de empresa en funcionamento, in Revista Tecnica, edição do Instituto de Auditores – Censores Jurados de Cuentas de España, 3ª época, nº 3, Madri, 1993

NASCIMENTO, José Olavo – O segmento de auditoria no quadro da organização no setor público, em Revista Brasileira de Contabilidade, no. 106, Brasilia, julho/agosto de 1997

NASI, Antônio Carlos – Auditoria Integral como instrumento de uma gestão eficaz e voltada para as novas exigências dos usuários, em Revista Brasileira de Contabilidade n. 107, edição CFC, Brasília, setembro/outubro de 1997

NOGUEIRA, Miguel João Martins e OTERO, Fernando Leopoldo Severino – Novas tecnologias e Contabilidade de gestão: A crise dos sistemas de Contabilidade de Gestão, a Gestão de Qualidade e os Sistemas de Contabilidade e a Gestão do Tempo e os Sistemas de Contabilidade, em Jornal de Contabilidade n. 256, edição da APOTEC, Lisboa, Julho de 1998

PEÑA, Domingo Nevado – El control de gestión actual . Futuro y limitaciones , em Tecnica Contable, n. 594 , Madri, Junho de 1998

PEÑA, Enrique Fernandez – Hacia la auditoria contemporánea – in Revista Tecnica, edição do Instituto de Auditores – Censores Jurados de Cuentas de España, 3ª época, nº 3, Madri, 1993

POBLETE, Fernando – Auditoria Interna, Controladoria y Control de gestión, em Contabilidad Teoría y Practica, n.º 45, edição Universidade do Chile, Santiago, segundo semestre de 1997

PONCE, Ángel Tejada – Complementariedad entre la auditoria de cuentas y la auditoria medioambiental, em Técnica Contable n.º 606, Madri, junho 1999

RAPOSO, José Antônio dos Santos – Auditoria de desempenho – um instrumento gerencial de controle para o Ministério da Defesa , edição da Escola Superior de Guerra, Rio de Janeiro, 2.000

REIS, José Vieira dos – Os documentos de prestação de contas na CEE e a legislação portuguesa, edição Rei dos Livros, Lisboa, sem menção de data de edição

RIBAS JR., Salomão – Uma viagem a Hessen, A Função dos Tribunais de Contas, as realidades no Brasil e na Alemanha, edição do Tribunal de Contas de Santa Catarina, Florianópolis, 1996

RIEBOLD, Gilbert – L´audit des resources humaines en L´audit externe au service des dirigeants d´entreprise , Editions Hommes et Techniques, Paris, 1973

RODRIGUEZ, Abelardo Ramirez – El papel de la auditoria social, em Contabilidad & Balance Social, edição de Cumputis et Scripturis, Cuadernos de Contabilidad, Pontifícia Universidad Javeriana, Bogotá, Colombia, 2.000

SÁ, Antônio Lopes de – Curso de Auditoria, 8a. edição ATLAS, São Paulo, 1998

SÁ, Antônio Lopes de – Teoria da Contabilidade, Editora Atlas, São Paulo, 1998

VERDUN, Miguel Gómez – Normas para el trabajo del campo de auditoria de desempeño, in SUMA, vol IX, nº 42, Rockville, setembro 1996

WAINSTEIN, Mario e CASAL , Armando Miguel – El informe breve de auditoria en un escenario globalizado de libre comercio, em Contabilidad y Auditoria, no. 8, edição do Instituto de Investigaciones Contables , Facultad de Ciencias Económicas da Universidade de Buenos Aires, Buenos Aires, dezembro de 1998




COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

*Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Leia também

Receba gratuitamente nosso boletim de artigos e notícias em seu e-mail