×
Siga-nos:

Confiança de Serviços sobe 4,1 pontos em abril, diz FGV

Índice chegou a 81,7 pontos, em escala de zero a 200

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 4,1 pontos na passagem de março para abril, depois de três quedas consecutivas. Com isso, o indicador chegou a 81,7 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, sendo que resultados cima de 100 pontos indicam confiança.

Houve alta na confiança de empresários de 12 dos 13 segmentos de serviços pesquisados no país. O Índice de Situação Atual, que mede a percepção sobre o presente, cresceu 0,4 ponto e atingiu 74,8 pontos.

O Índice de Expectativas, que mede a confiança do empresariado no futuro, subiu 7,4 pontos e chegou a 88,7 pontos.


Edição: Denise Griesinger

Fonte: Agência Brasil

Sobre o autor

Equipe Classe Contábil

Time de gestão de conteúdo do Blog Classe Contábil - Conteúdos segmentados com foco na área Contábil e seus reflexos nas empresas e áreas afins, composto por profissionais de jornalismo, marketing, criação, desenvolvimento web e consultoria.

Quer se tornar um especialista e vender seus serviços contábeis?

Já reparou que para se destacar mais nesse mercado tão competitivo é preciso ter conhecimentos para além da sua área de atuação? Pois é, na área de contabilidade também é necessário saber sobre o setor comercial, a fim de aumentar as vendas do seu escritório contábil, expandindo a imagem da sua marca e atraindo mais clientes.

LER MAIS

O que as empresas de serviços profissionais devem fazer para prosperar

Quando as coisas ficam difíceis, as empresas costumam ficar desesperadas. Portanto, não deve ser surpresa que durante a pandemia do coronavírus e a crise econômica concomitante, as empresas de serviços profissionais (PSFs) têm perseguido todos os tipos de negócios apenas para manter as luzes acesas. Vemos isso continuamente: consultorias, escritórios de advocacia, escritórios de contabilidade e similares oferecendo serviços e buscando clientes que eles nunca deveriam ter considerado. Essa abordagem para reforçar o faturamento é perigosa.

LER MAIS