Conteúdos e cursos para contadores, empresários, gestores, advogados e estudantes

×
Siga-nos:
Classe Contábil
PUBLICADO 9 meses ATRÁS.

Comércio precisa se voltar a clientes e dados, diz executivo

Usar a tecnologia como meio para mudar a cultura dos negócios e dar seguimento a um avanço de cultura deve ser o próximo passo da evolução do comércio no Brasil e no mundo. “Tem que haver uma mudança importante que pressupõe um negócio de varejo que olhe menos para produto e operações e olhe mais para cliente e dados”, defende Alberto Serrentino, fundador da Varese Retail. Ele discutiu as tendências para o setor durante o National Retail Federation (NRF), um dos maiores eventos do segmento no cenário internacional.

O executivo, que participa, hoje (6), do Cenários do Varejo – evento organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) -, afirmou que as redes de varejo terão de ter muito mais atenção para montar estratégias aliadas à tecnologia. Entre os pontos defendidos por ele, está o entendimento de repensar a função das lojas físicas, que deverão funcionar como pontos focados em experiência e oferecimento de serviços.

“Não há a menor dúvida de que as lojas física cumprirão um papel estratégico para o varejo. Não é se a loja continuará existindo, é entender qual o papel que a loja vai desempenhar e como as empresas têm de trabalhar o composto do negócio para que a loja física gere o retorno que ela pode gerar”, disse Alberto.

Tecnologia

Outro ponto discutido pelo fundador da Varese Retail é o cuidado que as empresas terão de desenvolver a partir do uso dos dados dos clientes. Entender como as tecnologias estão transformando as relações de consumo é um dos fatores mais relevantes para os negócios a partir de agora.

“Tem de haver uma mudança importante que pressupõe um negócio de varejo que olhe menos para produto e operações e olhe mais para cliente e dados. Essa é uma mudança muito importante para o futuro de negócios, que terão de começar a ser orientados a clientes e dados de clientes, trabalhando de forma mais estratégica”, disse.

Serrentino também reforçou que as empresas terão de reduzir barreiras entre as lojas físicas e digitais.

Fonte: Diário do Nordeste




COMPARTILHAR

Deixe uma resposta

*Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Leia também

Receba gratuitamente nosso boletim de artigos e notícias em seu e-mail