×
Siga-nos:

IGP-DI registra queda de preços de 0,14% em agosto, diz FGV

Por Equipe Classe Contábil
8 de setembro de 2021
Comentar

No mês anterior, o indicador havia registrado inflação de 1,45%

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou deflação (queda de preços) de 0,14% em agosto deste ano. No mês anterior, o indicador havia registrado inflação de 1,45%. Já em agosto de 2020, a taxa havia sido de 3,87%.

Com o resultado de agosto deste ano, o IGP-DI acumula taxas de inflação de 15,75% no ano e de 28,21% em 12 meses.

A queda da taxa de julho para agosto foi puxada principalmente pelos preços no atacado. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) teve deflação de 0,42% em agosto, ante uma inflação de 1,65% em julho.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede o varejo, e o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) também tiveram queda na taxa, mas continuaram registrando inflação.

O IPC recuou de 0,92% em julho para 0,71% em agosto. Já o INCC caiu de 0,85% para 0,46% no período.


Edição: Valéria Aguiar

Fonte: Agência Brasil

Sobre o autor

Equipe Classe Contábil

Time de gestão de conteúdo do Blog Classe Contábil - Conteúdos segmentados com foco nas áreas Contábil, Direito Empresarial e Afins, composto por profissionais de jornalismo, marketing, criação, desenvolvimento web e consultoria.

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 7,27% este ano

A previsão do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA - a inflação oficial do país) deste ano subiu de 7,11% para 7,27%. É a 21ª elevação consecutiva na projeção. A estimativa está no boletim Focus de hoje (30), pesquisa divulgada semanalmente pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

LER MAIS

Ipea revisa projeção de inflação no ano para 7,1%

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) alterou a projeção para a inflação deste ano. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi revisto de 5,9% para 7,1%. Parte da explicação para a mudança é a expectativa de reajustes mais acentuados para a gasolina e a energia elétrica, que remete a uma elevação da projeção de preços monitorados de 9,5% para 11%. Outra pressão vem dos preços dos alimentos no mercado internacional, que devem fechar o ano acima do esperado anteriormente, em particular as proteínas animais. Esse movimento eleva a projeção da inflação dos alimentos de 5% para (...)

LER MAIS