×
Siga-nos:

BC vê ‘retomada robusta’ da economia no 2º semestre com vacinação e indica alta na taxa básica de juros

Informações constam na ata da última reunião do Copom, quando a taxa básica de juros da economia avançou para 3,5% ao ano.Taxa Selic deve subir para 4,25% ao ano em meados de junho.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avaliou nesta terça-feira (11) que, a despeito da intensidade da segunda onda da pandemia ter sido maior que a esperada, o segundo semestre do ano deve mostrar uma “retomada robusta da atividade, na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos de forma mais abrangente”.

A informação consta na ata de sua última reunião, realizada na semana passada, quando a taxa básica de juros da economia avançou de 2,75% para 3,5% ao ano por conta das pressões inflacionárias.

De acordo com o BC, a pandemia produziu efeitos heterogêneos sobre os setores econômicos. “Enquanto o setor de bens opera com baixa ociosidade, o setor de serviços mostra dificuldades para se recuperar”, avaliou.

O Copom informou, ainda, que os dados de atividade e do mercado de trabalho formal sugerem que a “ociosidade da economia como um todo se reduziu mais rapidamente que o previsto, apesar do aumento da taxa do desemprego”.

Em março, o Banco Central estimou um alta de 3,6% para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. Para o mercado financeiro, a expansão da economia será de 3,21% neste ano.

Inflação e juros

Na ata do Copom, o Banco Central indicou que deverá elevar a taxa básica de juros da economia, em meados de junho, na “mesma magnitude” da última decisão, ou seja, em 0,75 ponto percentual “caso não haja mudança nos condicionantes de inflação”. Com isso, a taxa passaria de 3,5% para 4,25% ao ano.

O Copom fixa a taxa básica de juros com base no sistema de metas de inflação, fixadas pelo Conselho Monetário Nacional.

Para 2021, a meta central é de 3,75%. Pelo sistema de metas, a meta será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25% em 2021.
Para o ano que vem, a meta central de inflação é de 3,50% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2% a 5%. Neste momento, o BC já está fixando a taxa básica com base na meta de inflação para 2022, uma vez que as decisões sobre o juro demoram de seis a nove meses para terem impacto pleno na economia.
Os analistas das instituições financeiras estimam que a taxa subirá mais nos próximos meses, atingindo 5,5% no fim de 2021, e 6,25% no fim de 2022.

Economistas avaliam que a alta recente da inflação está relacionada com o aumento dos preços dos alimentos, combustíveis e do dólar, que torna os insumos e os produtos importados mais caros.

“Com exceção do petróleo, os preços internacionais das ‘commodities’ continuaram em elevação, com impacto sobre as projeções de preços de alimentos e bens industriais. Além disso, a transição para patamares mais elevados de bandeira tarifária de energia elétrica deve manter a inflação pressionada no curto prazo”, informou o Banco Central.

O BC, que manteve a avaliação de que de que os “choques atuais são temporários” na inflação, estimou, com base nas projeções do mercado para câmbio e juros, que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo ficará em torno de 5,1% neste ano e de 3,4% em 2022.

‘Normalização parcial’ do juro

Segundo o Banco Central, o Copom deverá continuar adotando a chamada “normalização parcial” da taxa de juros na próxima reunião, ou seja, uma alta que não leve a Selic, ao final de todo movimento, ao patamar do que chama de “taxa neutra de juros” – que permite o crescimento da economia, mas com inflação na meta. Analistas estimam que o juro neutro estaria ao redor de 6,5% ao ano no Brasil.

O BC avaliou, na ata, que elevações de juros sem interrupção, até o “patamar considerado neutro”, implicam projeções para a inflação “consideravelmente abaixo da meta de inflação no horizonte relevante”.

“O Copom reafirmou que essa visão para as próximas reuniões pode ser alterada caso haja mudança nas projeções de inflação ou no balanço de riscos, uma vez que a decisão continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, e das projeções e expectativas de inflação”, concluiu.


Fonte: Site G1

Sobre o autor

Equipe Classe Contábil

Time de gestão de conteúdo do Blog Classe Contábil - Conteúdos segmentados com foco nas áreas Contábil, Direito Empresarial e Afins, composto por profissionais de jornalismo, marketing, criação, desenvolvimento web e consultoria.

Copom: inflação persiste, mas economia evolui mais que o esperado

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) informou hoje (22) que o aumento de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros, a Selic, levou em consideração a “persistência da pressão inflacionária” maior que a esperada, sobretudo entre os bens industriais. Apesar da persistência, o comitê identifica tendência de melhora na economia do país. Na última quarta-feira (16), o Copom elevou a Selic de 3,5% ao ano para 4,25% ao ano.

LER MAIS

Arrecadação cresce no DF e em 25 estados, diz Tesouro

A arrecadação ao longo dos primeiros quatro meses de 2021 (janeiro a abril) subiu em 25 estados e no Distrito Federal, na comparação com o mesmo período do ano passado. Apenas o Espírito Santo não registrou crescimento de receita. Os dados constam no Relatório Resumido de Execução Orçamentária (RREO) com foco nos estados e DF, divulgado nesta segunda-feira (21) pelo Tesouro Nacional.

LER MAIS

CNC aponta melhorias no mercado de trabalho e retomada no consumo

O indicador Intenção de Consumo das Famílias (ICF), divulgado hoje (21) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), ficou em 67,5 pontos, revelando alta de 2,1% em junho, considerando o ajuste sazonal. De acordo com a CNC, apesar do aumento, esse foi o menor nível desde agosto de 2020 (66,2 pontos) e o pior junho da série histórica iniciada em 2010. Em comparação a junho do ano passado, o ICF baixou 2,6%.

LER MAIS

Produção de aço cresce 20,3% de janeiro a maio

De janeiro a maio, as vendas internas foram de 10 milhões de toneladas, o que representa uma alta de 46,4% quando comparada com o apurado em igual período do ano anterior, disse o presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes. Já o consumo aparente de produtos siderúrgicos no país foi de 11,5 milhões de toneladas no acumulado até maio, com expansão de 50,7% frente ao mesmo período de 2020.

LER MAIS